top of page

2010 – novembro , 19 – Fundação do Instituto Augusto Carneiro

Fundada em homenagem ao grande ambientalista, Augusto César Cunha Carneiro (1922-2014) , que fundou em 1971, junto com Lutzemberger, a AGAPAN - Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural. Foi um dos responsáveis pela criação e organização do movimento ecológico brasileiro. Ao longo das últimas décadas, trabalhou ativamente pela criação e implantação de parques e reservas e lutou pela arborização urbana. Influenciou gerações com panfletos e livros na banca instalada .



PRÁTICAS COM RESULTADOS NA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE


O Instituto Augusto Carneiro foi criado em 19 de novembro de 2010 para integrar os esforços dos diversos segmentos da sociedade na busca de resultados práticos para a preservação e defesa do meio ambiente. É uma organização sem fins lucrativos, que busca conciliar a demanda de empresas, dos governos e das comunidades, através de projetos e programas de conservação exemplares para a gestão adequada do patrimônio natural. O Instituto Augusto Carneiro tem como base os princípios e ensinamentos dos ambientalistas Augusto Carneiro e José Lutzenberger que já na década de 70 alertavam para os riscos e consequências da devastação ambiental e defendiam práticas sustentáveis de produção e consumo. Integram a diretoria e o conselho da entidade profissionais com longo histórico de luta e conquistas na proteção e desenvolvimento do meio ambiente.


Por falar em corte de árvores em Porto Alegre


Está Um trecho do livro, (Do livro de memórias de Augusto Carneiro, em fase de conclusão, por Lilian Dreyer).



Na cidade de Porto Alegre existe uma rua de fama internacional. Para visualizá-la, basta uma busca na internet, em português ou inglês, digitando as palavras “a rua mais bonita do mundo”. Aparecerá a rua Gonçalo de Carvalho, que conquistou sua fama não por abrigar algum tipo especial de concentração humana, não por nela existir um viaduto de desenho futurista ou um exótico centro de compras. Por nada além do espetáculo proporcionado pelas copas das árvores que se erguem, triunfantes, em meio aos edifícios. Dela diz o site Treehuger: “independente do mérito do título, ela representa o que é possível quando os cidadãos trabalham juntos para honrar e proteger algo belo”.


Hoje convertida em patrimônio natural da cidade, a ditosa rua já conheceu tratamento bem menos carinhoso. De fato, a Gonçalo quase teve seu “túnel verde” substituído por via pavimentada, para facilitar o acesso de automóveis a um teatro que seria construído ao lado de um centro comercial. Quando moradores e ativistas pela qualidade de vida desencadearam um movimento que acabou salvando as árvores, muitos porto-alegrenses manifestaram sua contrariedade na imprensa, quase sempre argumentando que se estava impedindo o progresso.



Rua Gonçalo de Carvalho (foto de Cesar Cardi)


- É triste, apesar de tantos anos de esclarecimento, sempre de novo aparecem os que acreditam que natureza e progresso são coisas incompatíveis, quando na verdade o desenvolvimento de um povo se mede por sua capacidade de evoluir sem destruir – dizia Augusto Carneiro, desolado, apoiado em sua bengala, ao observar os restos mortais de árvores abatidas próximo à Usina do Gasômetro, no início de fevereiro de 2013. A fim de permitir a ampliação de uma avenida, a prefeitura dera início ao plano de remover mais de uma centena de árvores, ação que foi interrompida por manifestantes. Em foto publicada por alguns jornais, um jovem aparece acomodado nos galhos de uma das ainda sobreviventes, ostentando um livro de José Lutzenberger.


A imagem remete a outro evento, ocorrido em 1975, quando ativistas subiram em árvores na avenida João Pessoa para evitar que fossem derrubadas. Um ato arriscado naqueles tempos ditatoriais, mas vitorioso. O viaduto projetado para a avenida foi construído, mas modificou-se o seu traçado de forma que as árvores puderam permanecer. Essa harmonização foi absorvida pelo imaginário popular como um fato positivo. Transcorridas poucas décadas, a população se apropriou de espaços como o Parque da Redenção, o Parque Marinha e o Parque Maurício Sirotsky, referindo-se a eles com orgulho, já sem lembrar que por várias vezes estes locais e seu entorno estiveram ameaçados. Assim como a Gonçalo de Carvalho. O mesmo se aplica ao patrimônio histórico. O Mercado Público do centro da cidade, hoje um local que a maioria gosta de apresentar a visitantes, teria sido derrubado não fosse a intervenção de um punhado de ativistas.


Ele acredita que os órgãos ambientais oficiais “são inefetivos porque eles têm pouca influência sobre outras secretarias e repartições, seus dirigentes são quase sempre escolhidos por conveniências partidárias de momento e não por terem real interesse e preparo técnico”. Isso explicaria também por que tais órgãos, em suas manifestações, costumam valorizar somente a beleza e a contribuição estética das árvores.


- Arborização é muito mais do que isso – repete ele, exaltado. – As árvores das cidades cumprem funções importantíssimas para a qualidade de vida da população, retendo poluentes e melhorando o microclima, além de garantir a sobrevivência da fauna silvestre no meio urbano, especialmente as aves.


Não só em Porto Alegre, esse tipo de dado tende a ser ignorado pelas municipalidades quando estão em jogo grandes obras, públicas ou privadas. Parecem ainda ter preferência os técnicos e urbanistas que, em suas intervenções, reservam à natureza, no máximo, um papel estético. São poucos os exemplos de obras que buscam desde o início a integração com a paisagem já existente. Remover vegetação parece estar quase sempre entre as primeiras opções, não entre as últimas. Tanto é que os arquivos de Carneiro, da Agapan e das demais entidades ambientalistas registram um número impressionante de situações de confronto com administradores públicos por causa de árvores e parques.


“Certas pessoas têm dificuldade em reunir e compreender as ideias que conduzem ao reconhecimento do valor intrínseco das áreas naturais, sua base filosófica, moral e biológica”, pensa Carneiro. “É essa dificuldade que está por trás das declarações de que haverá reposição das árvores derrubadas por causa de obras. A reposição quantitativa leva décadas para acontecer, quando as árvores do replantio alcançarem a idade das que se perderam. A reposição qualitativa jamais acontecerá, pois aquele ambiente único, que integra as lembranças do povo, este se perde para sempre”.


Link com mais informações no site da Agapan:



1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page