top of page

2011 – julho, 25 – A fábula da Cidade Sorriso numa crônica

A FÁBULA DA CIDADE SORRISO*


Clóvis Heberle, jornalista - http://clovisheberle.blogspot.com/

Publicado em Ferro e Mais Ferro - 25 de julho 2011- www.previdi.com.br


Porto Alegre cresceu e se tornou capital da Província de São Pedro por sua excelente localização: era ponto de chegada e partida de quem navegava pelos cinco rios que desaguam no rio Guaíba, e por quem buscava a saída para o mar pelo porto de Rio Grande, na Lagoa dos Patos.


No século 20, ferrovias e rodovias foram construídas, o Rio Grande do Sul se industrializou, a capital cresceu e se modernizou. Se tornou conhecida como Cidade Sorriso. Em seu porto atracavam navios vindos de todo mundo, e era possível embarcar num Ita para o Rio de Janeiro ou para as capitais nordestinas.


Barcos subiam e desciam os rios Jacuí, Taquari, Caí, Sinos e Gravataí com cargas de todos os tipos. Comprar laranjas, bergamotas e produtos da colônia na Doca das Frutas era tão costumeiro quanto perc orrer o Mercado Público em busca de peixes, carnes e tantos outros produtos. Bem perto dali havia lojas, joalherias, bares, confeitarias e cinemas - Ópera, Imperial, Guarani, Carlos Gomes, Cacique. Era uma festa. As garotas se produziam para percorrer a rua da Praia - o "footing" fazia parte dos hábitos dos portoalegrenses.


Os bondes interligavam o centro aos arrabaldes: Navegantes, São João, Floresta, Auxiliadora, Petrópolis, Partenon, Glória, Teresópolis, Menino Deus. Uma linha circular, a Gasômetro, percorria toda a área central da cidade.


No início da década de 70, foi preciso optar. Extinguir os bondes e substituí-los por ônibus, movidos a óleo diesel? Preservar os prédios construídos nas útimas décadas ou botá-los abaixo para a construção de edifício s, transformando o Centro numa selva de concreto? Felizmente a população, os vereadores e os prefeitos não cederam às pressões dos espertalhões, dos especuladores imobiliários e de todos aqueles que só viam os seus interesses econômicos.


A maior vitória do espírito público ocorreu quando surgiu um projeto de proteção contra as cheias do Guaíba e evitar o que acontecera em 1941, quando as águas invadiram a parte baixa ao longo da zona portuária. Fruto de uma mente megalomaníaca, pretendia a construção de um muro de concreto com portões hermeticamente fecháveis ao longo da avenida Mauá. Foram levantadas dúvidas sobre a eficácia do sistema - houve quem argumentasse com a velha e boa lei dos vasos comunicantes, pois se as águas subissem até as bordas do cais, entrariam também pelos canos de esgotos e pelo arroio Dilúvio para invadir o outro lado do muro. O argumento definitivo para a sua rejeição foi de que o muro separaria definitivamente a cidade do seu rio.


Daí para a frente, o bom senso prevaleceu. A navegação fluvial passou a ser valorizada. Aliscafos semelhantes aos que ligam Montevidéu a Buenos Aires substituíram os barcos a vapor para o transporte de passageiros entre Porto Alegre e Rio Grande, com escalas em todas as cidades do trajeto - Guaíba, Barra do Ribeiro, Tapes, São Lourenço e Pelotas.


Quanto ao muro: os recursos para a sua construção foram usados num projeto de canalização e tratamento dos esgotos cloacais, q ue reduziram a poluição das águas do Guaíba. O arroio Dilúvio voltou a ter águas cristalinas, e suas margens serviram para ciclovias. No verão, as belas praias do Guaíba eram uma opção para aqueles que não queriam ou não podiam ir até o Litoral. O entardecer tinha um encanto especial com a urbanização de toda a orla do rio. O trecho do porto entre o portão central e a Usina do Gasômetro, transformado numa área de lazer, ganhou bares, cinemas, teatros e restaurantes. Quando as construtoras passaram a demolir os antigos casarões do centro histórico, houve um movimento pela sua preservação, com o apoio dos jornais, tevês e rádios.


Enquanto as outras capitais brasileiras extinguiam os bondes, tapando seus trilhos com asfalto para a passagem de carros e ônibus, a capital gaúcha não só manteve o serviço, como o integrou aos ônibus dos bairros mais distantes e dos municípios vizinhos. Em cada fim de linha dos bondes foram construídas estações de transbordo. Com a prioridade a um transporte coletivo de qualidade e baixo custo, que mais tarde incluiu um metrô para a região metropolitana, foram abandonados projetos de viadutos e túneis destinados a facilitar o acesso de carros ao centro, já que isto só traria mais poluição, mais transtornos. Em vez de carros, pedestres, bicicletas e bondes nas ruas. Porto Alegre se manteve como era até os anos 60: charmosa, limpa, agradável. A Cidade Sorriso.


* Esta fábula é uma homenagem a Leandro Telles, que por duas décadas lutou, junto com alguns poucos sonhadores, pela preservação dos prédios históricos da cidade. Obstinado, percorria as redações denunciando a destruição dos velhos casarões da área central para a construção de edifícios, mesmo que muitas vezes fosse recebido pelos jornalistas com indiferença e até com má vontade.

Num dos episódios mais conhecidos de sua militância, enfrentou pároco da capela do Bom Fim que anunciara a sua demolição. Com o apoio dos moradores do bairro, o templo acabou sendo restaurado. Hoje Leandro se dedica apenas ao seu estande no Brique da Redenção.



5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page