top of page

Bairros Emblemáticos

O Bairro Moinhos de Vento é uma espécie de Soho porto-alegrense com as suas lojas trendy, restaurantes e bares. Quem se detiver a olhar as montras e os casarões restaurados do século passado espantar-se-á se dissermos que tudo começou em 1995. Na época, o miolo do bairro era essencialmente residencial, mas o estabelecimento do Café do Porto na Rua Padre Chagas deu ideias a outras casas comerciais. Hoje, esta rua em linha reta e a sua perpendicular, a Rua Fernando Gomes, são consideradas das mais “gostosas” da cidade. Entre a loja Coisas de Maria ou Casa de la Madre, será difícil a escolha, sendo que nesta última é possível almoçar ou tomar chá com o bolo do dia. Se preferir fazer este passeio de bicicleta pergunte pelas Bicicletas no Pátio e vai ver que não se arrepende*. Já a comunidade judaica assentou arraiais no Bairro do Bonfim. As interferências são visíveis nas sinagogas, nas associações ou em produtos como a shoarma. Chegaram também a “bom porto” pessoas de outros credos ou sem credo nenhum. O bairro foi ainda povoado por pensadores e artistas que abraçaram um estilo de vida alternativo. Este universo boêmio e democrático encontra-se nos poemas cantados pelos músicos gaúchos Nei Lisboa e Vitor Ramil. Na Cidade Baixa encontra não só a paragem do autocarro que faz o Citytour** como uma concentração significativa de património histórico, caso da Travessa dos Venezianos – refúgio de escravos –, e do casario das ruas João Alfredo e Lopo Gonçalves onde se misturam casas de habitação com ateliers artísticos. A primeira é bastante abundante em termos de vida noturna. Destaque para o Ossip***, bar que, dizem os entendidos, foi bastante apreciado por Caetano Veloso. Na zona sul, nas margens do Lago Guaiba, fica Ipanema, área residencial nobre de Porto Alegre, onde se multiplicam clubes náuticos, bares e restaurantes. É no Centro Histórico que se encontra o maior conjunto patrimonial da cidade. Destaque especial para as praças da Matriz e da Alfândega. Na primeira, além da estátua que celebra Júlio de Castilhos – patrono do Partido Republicano que trouxe o positivismo para o Brasil – demore-se na fachada da biblioteca pública e noutros edifícios positivistas à volta da praça.

*Em 2022, podemos constatar que muitos estabelecimentos da Rua Padre Chagas e Fernando Gomes fecharam. Enquanto isso, na Hilário Ribeito permanecem as tradicionais e novos espaços abriram como a Asiana, Mesa, Vineria, 20barra9, entre outros.

**Não faz mais parada ali depois de o poder público ter concedido o serviço. O ponto de referência passou a ser o ponto no Largo Glênio Peres.

***Fechou. Abriu outra operação, mas diferenciada da anterior.


Café do Porto


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page