top of page

CRÔNICA DE UMA RUA - A RUA DA PRIA


Rua da Praia - Década de 1910


A vontade de gritar era grande. Mas fiquei com tudo engasgado. Explico o porquê. Almocei no Chalé, uma relíquia que ajudamos a salvar e ampliar. Dali fui ver o “novo Guaspari”. Ali comprei as primeiras roupas quando cheguei a Porto Alegre, em 1972.


Fiquei imaginando o professor, artista e arquiteto Fernando Corona subindo ao sétimo andar para um café, olhar o Guaíba e lembrar que no início dos anos 30 ele botava de pé o primeiro prédio modernista da cidade. Lembrei da arquiteta Alessanda Bonotto Paim, que tinha proposição ousada para o local. Ficou legal, mas esperava mais.


Dali cruzei a Galeria Chaves para continuar minhas lembranças e sentir um pouco mais das obras do Corona, que da Espanha veio nos ensinar arte. Quando botei os pés na Rua da Praia, já na frente da antiga Livraria e Editora Globo, me bateu a revolta, daquelas que reviram o estômago, aceleram o coração e dão dor na cabeça. Não tinha mais rua, só um mercado de ilegalidades.

O que fizeram ou deixaram fazer com a Rua da Praia de Nilo Ruschel? Estou relendo o livro dele para não “baquear” de vez. Lembrei das várias cobranças que recebi nesta curta caminhada por parte das pessoas, reclamando do desdém com o nosso Centro, com a Rua da Praia, com a cidade.

Só não gritei porque achariam que enlouqueci de vez e também para não ser agredido por algum “pirateiro” como já fora no passado. Pergunto-me: onde estão as pessoas a caminhar? onde estão os grupos a papear? Claro que não mais encontraria o Osvaldo Vergara, Moisés Velhinho, Osvaldo Aranha, o Athos Damasceno, o Spalding, mas queria encontrar ali o BeneditoTadeu Cesar, o Jorge Barcellos, o Rui Gonçalves, a Jaqueline Moll, a Liana Borges, a Margarete Moraes, o professor Fischer, o Ricardo Guliani, o Moisés Mendes, entre outros tantos. Juro que nesta semana chamo o Ayres Cerutti para a gente tratar do nosso livro sobre o Centro Histórico, com um expresso na A Brasileira, da Uruguai.

Pensei nos cafés do passado e me meti na Acylino de Carvalho, para tomar um na loja do Café do Mercado, já que o Rian sumiu do Edifício Santa Cruz, onde tem uma das nove farmácias na mesma quadra, as quais expulsaram a diversidade e o encanto dali. Farmácia lembra doenças, enquanto cafés, bares e restaurantes lembram vida.

A Rua da Praia mais parece um ossário exposto de um passado. Não quero a volta pela volta. Queria apenas a minha rua de volta. Esta que se chamou Rua da Graça entre a Alfândega e a Santa Casa. Hoje, uma desgraça. O que vi foi chocante com o meu passado recente, quando fui titular da pasta de Indústria e Comércio há pouco mais de uma década atrás, quando fiz a rua ser rua e a calçada, calçada.


Doravante será mais insustentável a continuar com a pasmaceira, desdém e inoperância dos governantes. Não me cabe ser como Henry David Thoreau, que se negou a pagar impostos há quase 200 anos atrás, com a Desobediência Civil; continuarei circulando de mangas arregaçadas, com as armas da boa luta democrática, do diálogo com pressão, com minhas articulações para não sucumbir, sendo um rebelde com causa para não passar para a História como omisso.

Pois lhes direi: se eu fosse prefeito, resgataria a Rua da Praia para as pessoas, para uma Porto Alegre inclusiva, dando dignidade a seus moradores e visitantes.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page